Empoderamento feminino em pauta

foto conalife

Conalife apresenta cases e mostra a força do empoderamento feminino nas empresas e na sociedade
 
Por Alice Salvo

 
Aconteceu no dia 30 de maio a segunda edição do CONALIFE – Congresso Nacional de Liderança Feminina no Teatro Cetip – Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo. Promovido pela ABRH-SP, o evento contou com um público especial de profissionais de Recursos Humanos para debater sobre o empoderamento das mulheres.
 
Com o tema “Conexões que impulsionam Conquistas”, o congresso teve a participação de influenciadoras como Alexandra Loras, ex-consulesa da França no Brasil, Adriana Carvalho, da ONU Mulheres, Camila Fusco, diretora de empreendedorismo do Facebook, a neurocientista Carla Tieppo e Ana Fontes, fundadora da Rede Mulher Empreendedora, entre muitas outras. Este ano, a homenageada foi a Ministra Cármen Lúcia, presidente do STF.

 

O que ficou marcado em todas as falas do evento – das apresentações no palco às conversas nos encontros de network – foi que avançamos na conscientização da necessidade da equidade de gênero tanto no trabalho como nas esferas públicas e privadas. Mas que ainda falta muito para caminhar em prol de uma sociedade mais justa e humana que insira as mulheres e outros grupos que estão defasados de seu lugar na sociedade.  

 

Em uma apresentação forte, Alexandra Loras que é ativista da diversidade falou das dificuldades de ter autoestima em um sistema que não reconhece o valor da mulher negra. “Como crescer em um ambiente onde não existe representação?”, questionou Alexandra, que criou um site exclusivo para o recrutamento de profissionais negros: o protagonizo.com.

 

No painel “Em conexão com o Mundo”, Nadine Gasman e Adriana Carvalho, da ONU Mulheres, falaram sobre as iniciativas da entidade para promover a igualdade de gênero, como o movimento HeforShe. Ana Fontes, da RME, contou sobre sua experiência no Fórum W20 que aconteceu em Berlim em abril deste ano e focou no papel da mulher no âmbito trabalhista. “Criamos um paper que foi direto para a conferência do G20 que reforça a contribuição e importância das mulheres para as economias mundiais”, explicou Ana, que contou ainda um pouco sobre os bastidores do encontro que teve a participação da chanceler alemã Angela Merkel e outras  líderes empresariais.

 

Para as empresas preocupadas com esta questão, as painelistas apresentaram os Princípios de Empoderamento das Mulheres (WEPs), que são um conjunto de sugestões que orienta as instituições a incorporar em seus negócios valores e práticas que visem à equidade de gênero.

 

Para participar, as empresas, pequenas ou grandes, são incentivadas a assinar a Declaração de Apoio de CEOs aos WEPs e  promover sua implementação; compartilhar as boas práticas e apoiar a iniciativa em todas as esferas. Os princípios são:
 

  1. Estabelecer liderança corporativa sensível à igualdade de gênero, no mais alto nível.
  2. Tratar todas as mulheres e homens de forma justa no trabalho, respeitando e apoiando os direitos humanos e a não-discriminação.
  3. Garantir a saúde, segurança e bem-estar de todas as mulheres e homens que trabalham na empresa.
  4. Promover educação, capacitação e desenvolvimento profissional para as mulheres.
  5. Apoiar empreendedorismo de mulheres e promover políticas de empoderamento das mulheres através das cadeias de suprimentos e marketing.
  6. Promover a igualdade de gênero através de iniciativas voltadas à comunidade e ao ativismo social.
  7. Medir, documentar e publicar os progressos da empresa na promoção da igualdade de gênero.

 

Ao final, ficou claro para todos os participantes que a questão da igualdade de gênero ainda é desafiador no Brasil, mas que é um exercício que precisa ser praticado das ações individuais ao alto escalão das grandes empresas e instituições públicas.

s;