Programa de aceleração a empreendedores negros é lançado com apoio do Facebook

negros

Afro Hub é uma iniciativa conjunta da Feira Preta, Afro Business e Diaspora.Black, com o intuito de promover networking e expandir negócios
 
Com intuito de fortalecer e estimular o ecossistema de afroempreendedorismo no Brasil, foi lançado, nesta quarta-feira (30) o Afro Hub, programa que nasce com a proposta de fomentar o crescimento de negócios com o uso da tecnologia. Promovida pela Feira Preta, Afro Business e Diaspora.Black, com o apoio do Facebook, a iniciativa surge no ano em que se completa os 130 anos da abolição da escravatura.
 
Dados analisados pelo Instituto Locomotiva, a partir de informações do PNAD, apontam que, no Brasil, são mais de 5,8 milhões de empreendedores negros com acesso à internet, que movimentam aproximadamente R$ 219,3 bilhões. De acordo com o Sebrae, os afroempreendedores estão à frente de 51% das empresas brasileiras.
 
Entre junho e novembro, o Afro Hub terá atividades divididas em três frentes. Na primeira fase, serão selecionados 10 empreendedores que passarão por uma pré-aceleração e treinamentos em tecnologias e ferramentas avançadas do Facebook e Instagram, além de mentorias com profissionais especializados, no período de junho a setembro.
 
Paralelamente, de junho a novembro, o Afro Hub receberá, na Estação Hack, em São Paulo, centenas de empreendedores que poderão, gratuitamente, participar de eventos organizados pela Feira Preta, Afro Business e Diaspora.Black, com o intuito de fomentar o networking em seus negócios.
 
Já no mês de novembro, serão realizados workshops gratuitos em diversas capitais, entre elas Salvador (BA), Rio de Janeiro (RJ) e São Luís (MA), com a finalidade de atualizar os empreendedores negros quanto ao uso das redes sociais como estratégia para alavancar os negócios. Além disso, especialistas em gestão e negócios disruptivos farão palestras a convite dos organizadores.
 
“Entendemos esta iniciativa como uma parceria conjunta para a constituição de um hub de afro-empreendedorismo no país. Além disso, os cases de sucesso, ao término do programa, servirão como referência para outros empreendedores, ressaltando o que as ferramentas do Facebook e Instagram podem fazer para alavancar os negócios em tecnologia e comunicação”, comenta Fernanda Ribeiro, co-fundadora e presidente da Afro Business.
 
Para a fundadora da Feira Preta, Adriana Barbosa, “o Afro Hub é um projeto de construção de uma nova narrativa pautada na transcendência do empreendedorismo de necessidade por oportunidade. O projeto se propõe a potencializar cases de empreendedores que representam mais de 50% dos microempresários no Brasil com o suporte da comunicação e da tecnologia”.
 
“Vamos promover acesso a conteúdos e ferramentas digitais de alta performance para os negócios. É uma iniciativa de grande impacto para fomentar a circulação econômica entre a população negra”, resume Antonio Pita, co-fundador da Diaspora.Black.
 
Pesquisa inédita
Como parte do projeto, também foi lançado o chamamento para uma pesquisa nacional inédita sobre o perfil do afroempreendedor, que será conduzida pelo Instituto Locomotiva. O objetivo é entender o perfil socioeconômico do afro-empreendedor, como acesso ao crédito, áreas de atuação e participação da mulher negra no ecossistema de empreendedorismo. O resultado será divulgado em 20 novembro, Dia da Consciência Negra.
 
Fonte: Divulgação

s;